Back to Top
  • info@lbs.co.ao

Inteligência emocional - Luanda Business School

Inteligência emocional
Aumente o seu capital psicológico através da literacia emocional!

  • Modelo suportado por uma metodologia de assessment, que permite um melhor diagnóstico prévio e o acompanhamento após-formação.
  • Trabalhar a Inteligência Emocional como uma ferramenta essencial para desenvolver o Capital Psicológico dos participantes.
  • Abordar a Inteligência Emocional não como um conjunto específico de “skills”, mas como um processo de transformação pessoal.

Programa:

Etapa Pré-formação
Primeira aplicação do “assessment Org-EIQ” na modalidade de “Multisource Feedback” (Auto e Hetero-avaliação)

 

PRIMEIRO DIA:
Etapa Formação em sala

1. Reconhecer o seu “Capital Psicológico” e saber utilizá-lo como “Activo” para promover a Literacia Emocional

  • Caracterizar o conceito de “Capital Psicológico”.
  • Conhecer o CORE do “Capital Psicológico”; Confiança, Optimismo, Resistência e Equilíbrio.

2. Identificar as bases da “Literacia Emocional”: Identificar e reconhecer as emoções

  • Emoções primárias e emoções secundárias.
  • A diferença entre emoções e sentimentos.
  • Emoções “positivas e emoções negativas”.
  • As emoções como “construção de realidades”: o efeito EEC – “Estímulos Emocionalmente Competentes”.
  • Praticar a auto-regulação e usar as emoções para aumentar a sua eficácia pessoal.

3. Promover a “alfabetização” na linguagem das emoções: as componentes da Literacia Emocional

  • As duas componentes da “Literacia Emocional”:
    • a Inteligência emocional: determinar o potencial para aprender as capacidades emocionais;
    • a competência emocional: mostrar até que ponto traduzimos essa aprendizagem nas práticas profissionais.
  • O valor da “vontade” e da “auto-motivação” na construção da identidade pessoal.
  • Análise do modelo de Assessment da Literacia Emocional: Org-EIQ (Emotional Intelligence
    Organizational Quotient).

4. Desenvolver as Competências Emocionais Pessoais

4.1 Macro factor “Auto-consciência e Auto-avaliação”

  • Saber reconhecer e identificar os próprios estados emocionais e as respectivas consequências no seu comportamento.
  • Reconhecer a forma como os seus sentimentos afectam o próprio desempenho.
  • Possuir uma consciência orientadora dos seus valores e objectivos.
  • Desenvolver um “sentido interno” do valor e das capacidades próprias, de um modo realista e adaptado.
  • Estar aberto a opiniões diferentes, a novas perspectivas e ter uma atitude de aprendizagem contínua e auto-desenvolvimento.

4.2 Macro factor “Gestão Pessoal” Fazer uma “boa gestão” dos sentimentos impulsivos e das emoções deprimentes.

  • Controlar os “piratas emocionais” (emotional hijacking).
  • Manter a compostura, adoptando uma atitude positiva nos momentos difíceis.
  • Criar relações de confiança pela sua fiabilidade e autenticidade.
  • Admitir os próprios erros e confrontar os outros com actos e acções frontais.
  • Cumprir com os compromissos e honrar as promessas.
  • Lidar com facilidade com múltiplas exigências, prioridades em constante mutação e mudanças rápidas.
  • Adaptar as respostas e tácticas para responder a circunstâncias imprevistas.

5. Controlar os factores de “Depleção do Ego” (Baumeister)

  • Reconhecer as dificuldades de autor-regulação: a “Depleção do Ego” como “a capacidade diminuída das pessoas para controlarem os seus pensamentos, sentimentos e acções”.
  • Saber utilizar “Agentes Anti-depletores do Ego” (ADE).

6. Desenvolver as Competências Emocionais Sociais

6.1 Macro factor “Consciência Social”

  • Estar atento às pistas emocionais das outras pessoas e praticar
    a escuta empática.
  • Saber lidar com uma grande diversidade de pessoas e situações, controlando os sentimentos pessoais de “resistência ao diferente”.
  • Aperceber-se das necessidades dos outros (clientes externos, clientes internos, colegas de trabalho, colaboradores, chefias, etc.) e promover iniciativas concretas para ir ao seu encontro.
  • Procurar formas de cultivar a satisfação dos clientes externos e internos.
  • Manter e demonstrar disponibilidade apropriada relativamente ao interesse dos outros.
  • Ter sensibilidade aos “jogos” e relações de poder nos contextos onde actua.
  • Detectar e saber lidar com “redes sociais críticas”.
  • Fazer uma leitura realista da sua organização e das influências das realidades externas.

6.2 Macro factor: Gestão das Relações

  • Modelar comportamentos de equipa como respeito, entre-ajuda e cooperação.
  • Criar ou contribuir para criar identidade de equipa, espírito de corpo e vontade de vencer;
  • Procurar relações mutuamente benéficas.
  • Colaborar, partilhando planos, informação e recursos.
  • Promover a comunicação aberta e permanecer receptivo, tanto às más como às boas notícias;
  • Liderar pelo exemplo.
  • Reconhecer as necessidades de mudança e remover barreiras.
  • Ser o representante da mudança que gostaria de ver nos outros.

7. Reconhecer as estratégias de “Auto-engano” e ser capaz de as controlar

  • Reconhecer o “Auto-engano” (self – deception) como uma “falsa consciência de si” e as suas possíveis consequências no plano pessoal e profissional.
  • Traçar planos pessoais de progresso no domínio de uma mais plena consciência de si e de uma expansão saudável das suas potencialidades pessoais.

Dirigido a:

  • O curso Inteligência Emocional é dirigido a todos os profissionais que querem desenvolver as suas competências emocionais e melhorara sua eficácia, através de uma maior consciência pessoal e social.

Objectivos:

Esta acção de formação permitir-lhe-á:

  • Desenvolver competências emocionais de âmbito pessoal:
    • saber reconhecer os seus estados emocionais;
    • desenvolver a auto-regulação e controlo das emoções de modo a que possam facilitar e não prejudicar a interacção e a performance;
    • reconhecer as “emoções pirata” e manter o auto-domínio nas situações de tensão e de conflito;
    • melhorar a auto-confiança, numa base equilibrada e adaptada;
    • melhorar as capacidades de adaptabilidade e resiliência face a situações inesperadas e/ou adversas.
  • Desenvolver competências emocionais na relação com os outros:
    • desenvolver a capacidade de escutar os outros e compreender os seus quadros de referência;
    • ultrapassar os diferendos de personalidade, através do factor de empatia, e saber lidar com a diferença e diversidade de pontos de vista;
    • desenvolver a “sensibilidade política” em relação às relações de troca e às dinâmicas da organização;
    • integrar-se num grupo de trabalho e contribuir para criar um clima organizacional mais equilibrado;
    • assumir-se como responsável e exemplo das mudanças requeridas.

Métodos:

  • O curso Inteligência Emocional é construído de acordo com metodologias apropriativas, com exercícios de exploração pessoal com base nos resultados.
  • Os participantes constituirão o centro das abordagens de modo a que cada um possa aumentar o seu auto-conhecimento e a sua auto-actualização no domínio das competências emocionais..

Datas/Locais:

Início
21-04-2018
Fim
23-04-2018
Horário
8h30-16h30
Local
Luanda
Início
10-10-2018
Fim
12-10-2018
Horário
8h30-16h30
Local
Luanda